A ciência aponta que viver com um parceiro reduz o risco de doenças cardiovasculares e respiratórias, melhora a qualidade de vida e reduz o estresse.

Mas, quando se trata de manter o corpo em forma, são os solteiros que ganham –ainda que a alimentação deles não seja das melhores…

Um novo estudo, publicado no “Journal of Family Issues”, concluiu que, em geral, solteiros e divorciados são mais magros do que pessoas casadas.

A pesquisa se baseou em dados de entrevistas realizadas com norte-­americanos ao longo de duas décadas, a partir de 1979. A hipótese do pesquisador Jay D. Teachman, professor de sociologia na Western Washington University, é que as pessoas descompromissadas têm um incentivo importante: o mercado da paquera.

Especialistas atestam que o desejo de encontrar alguém para chamar de seu é, sim, um dos motivos que levam muitos recém-divorciados e solteiros ao consultório. Mas por que os casados têm mais tendência a engordar?

O grande responsável, afirmam, são as mudanças no estilo de vida. Além disso, enquanto os solteiros costumam ter tempo para a atividade física e encaram o jantar como mais uma refeição do dia, depois do casamento é comum deixar a malhação de lado para ficar em casa com o marido ou a mulher.

Outro estudo

Um outro estudo mostra ainda que quando um dos dois engorda, o outro corre um risco duas vezes maior de se tornar obeso. Foi o que confirmou um estudo publicado recentemente no periódico cientifico American Journal of Epidemiology.

Os pesquisadores acompanharam 4 000 casais ao longo de 25 anos. Durante esse período foram realizadas cinco avaliações em momentos diferentes das uniões. Na primeira, realizada no início dos casamentos, constatou-se que apenas 23% dos homens e 25% das mulheres eram obesos. Na última, homens que não eram obesos, mas cujas esposas ficaram obesas ao longo do estudo, tinham um risco 78% maior de também se tornar obesos.

Já no caso das mulheres, o risco de obesidade associado ao ganho de peso do parceiro era 89% maior. A explicação para as mulheres engordarem mais pode estar no ritmo do metabolismo feminino, que costuma ser mais lento.