Dá para ir para um dos destinos turísticos mais famosos do mundo, Machu Picchu, no Peru,  de ônibus saindo do Brasil.

A viagem à cidade peruana de Cusco, de onde é possível chegar até o santuário histórico, faz parte da rota entre o Rio de Janeiro e Bogotá operada pela empresa peruana Expreso Internacional Ormeño — o trajeto, com 15 mil quilômetros, é o percurso de ônibus mais longo do mundo. O ônibus passa também por São Paulo, onde é possível embarcar.

Busão da Expreso Ormeño. Foto: Divulgação

Até Lima, a capital peruana, são 6 mil quilômetros, que levam cinco dias para serem percorridos. Até Cusco, são quatro dias.

No Brasil, o trajeto passa pelas cidades de Campo Grande (MS), Cuiabá (MT), Porto Velho (RO) e Rio Branco (AC).

Já no Peru, passa por Puerto Maldonado antes de chegar a Cusco, cidade de onde é possível seguir viagem até Machu Picchu (o trajeto ainda inclui vários quilômetros até o vilarejo de Aguas Calientes, última parada antes da cidadela inca). É preciso planejar os horários das idas até o santuário, que está operando sob novas regras de visitação desde julho.

O ônibus sai do Rio de Janeiro toda quarta-feira às 13 horas e passa por São Paulo, de onde tem nova saída às 20h — é na capital paulista que a maior parte dos 56 passageiros embarca.

A chegada em Cusco acontece no domingo. Em Lima, na segunda-feira. Na volta, as saídas para o Brasil são às quintas-feiras, saindo de Lima, e às sextas, saindo de Cusco.

A passagem entre São Paulo e Lima custa R$ 780; até Cusco, custa R$ 630 (somente ida) *. São aceitos 25 quilos de bagagem despachada e 5 quilos na mão. Um desconto de 10% é oferecido para quem adquirir as passagens de ida e volta na mesma compra.

É necessário comprar o bilhete — somente em dinheiro — no guichê da Expreso Ormeño do Terminal Rodoviário do Tietê, que funciona de segunda a sexta-feira, das 9h às 18h. O telefone é (11) 2089-1196.

Na Rodoviária Novo Rio, as passagens custam R$ 880 (até Lima) e R$ 730 (Cusco). O telefone do guichê no Rio de Janeiro é (21) 2283-4532.

Vale a pena?

A opção de fazer a viagem de ônibus não é necessariamente econômica. É possível encontrar passagens de avião de ida e volta por preços similares e até mais baixos do que o custo total das duas passagens do ônibus, ainda que com longas horas de conexão (cada perna pode durar quase 24 horas se contadas as escalas).

Os quatro dias até Cusco e cinco até Lima também significam gastos de todo tipo na estrada (no mínimo, as refeições).

O ônibus faz duas paradas por dia — uma para o almoço, entre meio-dia e 13h, e uma à noite, para a janta. Fora as escalas nos terminais rodoviários das cidades citadas acima, não há pontos predefinidos de parada — tudo depende de como a viagem está seguindo.

Cada parada dura cerca de uma hora, mas pode demorar mais se o veículo precisar de manutenção e se estiver muito lotado — crianças são comuns entre os passageiros e acabam precisando de um pouco mais de tempo nas paradas para tomar banho, por exemplo.

O trajeto, no entanto, é considerado uma atração turística em si. A rota percorre a Estrada Interoceânica do Sul, que liga o litoral brasileiro à costa peruana, do Atlântico ao Pacífico.

A rodovia passa por lugares e culturas radicalmente distintas, desde paisagens amazônicas até a cordilheira dos Andes. A vista da janela é a recompensa pela disposição em enfrentar dias a fio dentro de um ônibus.

* Os valores foram apurados em agosto de 2017

Via Gazeta do Povo
[banner caption_position=”bottom” theme=”default_style” height=”auto” width=”100_percent” group=”cabelo-barba-pele-acessorios” count=”-1″ transition=”fade” timer=”3000″ auto_height=”0″ show_caption=”1″ show_cta_button=”1″ use_image_tag=”1″]