Além da ressaca turbinada, o uísque falso tem muitos outros reflexos no day after. Essas bebidas falsas representam, acima de tudo, um risco à saúde. O álcool metílico (metanol), por exemplo, advindo de um processo de destilação mal feita, quando ingerido, pode causar sérias intoxicações, cegueira permanente e inclusive a morte.
Pois é. O assunto autenticidade de um uísque é sério, mas existem uma série de testes que são puro folclore, como  os famosos testes de sacudir a garrafa para checar as bolhas, ou tocar a garrafa com caneta para se verificar o som produzido. São apenas lendas que não conseguem provar se é falso ou não.
E como evitar e conhecer um uísque falso? Em restaurantes e bares, por exemplo, a única forma confiável é conhecer em detalhes os sabores e aromas do uísque que estamos escolhendo. Um Johnnie Walker Black Label ou Double Black têm que apresentar notas enfumaçadas e defumadas. Já um Chivas tem que ser frutado com notas de figo. Do contrário, estamos falando de uma falsificação.
Mas se você não é um expert veja essas dicas ao comprar uma garrafa
1 – Exigir o selo de recolhimento de IPI (Imposto sobre Produtos Industrializados) na tampa de suas garrafas.
O lacre da Receita Federal confirma que a bebida foi importada corretamente já que a selagem ocorre junto ao produtor no exterior, garantindo, portanto, a procedência da bebida. E o selo não serve apenas para as bebidas importadas, mas para lacrar as nacionais também. Do contrário, você estará comprando uma bebida clandestina e de procedência duvidosa.

2 – Verificar as informações em português do importador e distribuidor brasileiro nas garrafas.

Uísques mais comuns são falsificados usando-se garrafas originais vazias e enchidas com bebidas mais baratas, mas no Brasil essa ocorrência é menor entre os blends mais caros. O problema da adulteração dos mais caros se dá entre nossos países vizinhos, que fornecem os single malts e blendeds premium piratas e adulterados ao mercado brasileiro.

Lembre-se, conheça mais o perfil do seu uísque preferido em bares e restaurantes e exija sempre o selo do IPI e as informações em português do importador e distribuidor brasileiro nas garrafas! E denuncie a Receita Federal caso seja enganado e receba um produto sem essas informações.

3 – Teste do pãozinho

Se você está no barzinho, um teste bacana é pedir um pãozinho. O pessoal do canal do Youtube Química para Haters ensina. Basta colocar algumas gotas no pão. Se o pão ficar preto, significa que o uísque é falso. Isso acontece porque o uísque falso usa iodo para ficar com a coloração semelhante a do verdadeiro. O uísque verdadeira passa um bom tempo em um barril de madeira, o que garante a coloração típica.